Word of the Day

Saturday, February 27, 2016

Autogramiáda

Autogramiáda is one of my favorite Czech (also Slovak) words because of its conciseness. Other languages need circumlocutions like autograph/signing session, sessão/noite de autógrafos, Autogrammstunde, séance d'autographes, etc. Czech expresses it with one single word, made up of autogram, autograph, +suffix iáda, the same you find in olympiáda, the Olympiad, the Olympic games.

Sunday, February 21, 2016

Comparing Finnish and Hungarian

I've started studying Finnish prior to a visit to the country in the near future. Here I will compare Finnish and Hungarian structures, as they are both Finno-Ugric languages, albeit distant.

Both languages make abundant uses of suffixes, but Hungarian only adds a suffix to the last word of a phrase, as in:

My Brazilian friend lives in a big house.
Hungarian: A brazil barátom egy nagy házban lakik.
Finnish: Brasilialainen ystäväni asuu suuressa talossa.
Finnish, unlike Hungarian, has no articles. The Hungarian definite article is a (az before vowels). The words egy, indefinite article, and nagy, big, have no case endings, but suuri, big, does in Finnish, agreeing with talo, house, under the form talossa. Both Finnish and Hungarin use a suffix for possession. In this case, om in Hungarian and ni in Finnish to indicate my. Finnish verbs usually go after subjects, whereas Hungarian ones are very often at the end of sentences. They stress the item that is right before them.


My brother's son is sleeping in our room.
Hungarian: A bátyám fia a szobánkban alszik.
Finnish: Veljeni poika nukkuu huoneessamme.
Hungarian does not have a progressive form, Finnish does, albeit optional, as far as I know. In our room is expressed in Hungarian as article+noun+possessive suffix+locative suffix, whereas Finnish switches the last two elements: noun+locative suffix+possessive suffix. A bátyám fia also has an interesting structure: The brother+my+son+his, i.e, My brother his son, not unlike Dutch mijn broer z'n zoon (or, more commonly: mijn broers zoon).

My wife doesn't speak Russian.
Hungarian: A feleségem nem beszél oroszul.
Finnish: Vaimoni ei puhu venäjää.
Finnish has a way to conjugate negations: She speaks - Hän puhuu. She doesn't speak - Hän ei puhu. Ei indicates it is third person singular. In this case, the Hungarian negative adverb nem requires the verb to be right after it. Oroszul is an adverb (as with Slavic languages: česky, po-russki, po slovensky, po polsku, etc.), whereas Finnish uses a noun in the partitive, the case used in negations.

My mother has three cats.
Hungarian: Az anyámnak három macskája van.
Finnish: Äidilläni on kolme kissaa.
Hungarian numbers require the noun to remain in the singular; Finnish numbers require the partitive, the a in the word kissa, cat. Neither Hungarian nor Finnish has a construction similar to English have. Both languages express it roughly as To someone (Hungarian) or On someone (Finnish) is something. Hungarian also requires the thing possessed to be in the possessive case, as if saying To the my mother is her three cat. Finnish only adds a suffix to the possessor. In both languages a singular verb is used.

Both languages have vowel harmony:
Hungarian: az asztal-on (on the table), a számítógép-en (on the computer).
Finnish: pöydä-llä* (on the table), tietokonee-lla (on the computer).
Hyphens are not used. Here their functions is only to show suffixes.
*Table is actually pöytä, with a T, but the sound change is something I won't address right now.

I hope I can come up with more interesting examples in the future.

 




Saturday, February 20, 2016

Até que + futuro do subjuntivo

E assim, até que esta quarta-feria de cinzas (sic) tiver passado, no velho ritmo de “me dá um dinheiro aí”, o governo federal vai tentar ressucitar a impopularíssima CPMF. 

Deve ter sido por cruzamento sintático com assim que: assim que esta Quarta-Feira de Cinzas tiver passado. Com até que, o normal é o presente do subjuntivo: até que esta Quarta-Feira de Cinzas tenha passado.

Thursday, February 18, 2016

De acordo a

De acordo a Euromonitor International 

De acordo a? Mais um anglicismo (according to) ou erro de digitação. Novidade para mim em português. Em espanhol tenho visto de acuerdo a, mas a Real Academia Española diz que de acuerdo con é preferível.

Tuesday, February 16, 2016

O ovo ou a galinha?

À bonança financeira da era Lula, seguiu-se à crise institucional, agravada pela queda do valor do petróleo.

E aí? O que seguiu o que? Qual é o sujeito? Pela formulação não dá para saber, só o nosso conhecimento do mundo nos indica que deveria ser À bonança financeira da era Lula (sem vírgula) seguiu-se a (sem acento) crise institucional..., ou seja, primeiro tivemos a bonança financeira, depois a crise institucional.

Sunday, February 14, 2016

Passanderia

Precisava de um termo que equivalesse, numa tradução que estou fazendo, ao alemão Plättanstalt, de plätten, passar roupa, e Anstalt, estabelecimento, instituição. Não é que encontrei passanderia? Na internet encontram-se várias com um nome próprio seguido da especificação lavanderia e passanderia. Esperava algo como passadaria/passaderia/passaria, mas não, é passanderia que se popularizou no Brasil, pelo menos em SP e RJ, julgando pelo endereço dos estabelecimentos. É esse termo, que não vejo em dicionário nenhum, que decidi usar na minha tradução.

Saturday, February 13, 2016

Mais uma tradução estranha

No mesmo artigo sobre o aleluia:

"Talvez vocês possam se calar enquanto tiram vocês daqui", disse.

Outro exemplo de tradução malfeita. Duvido que algum falante nativo de português se expressaria assim nessa situação. Uma possibilidade (entre dezenas de outras) seria: Será que vocês não podem ficar quietos/calar a boca enquanto são retirados daqui/tiram vocês daqui?

Friday, February 12, 2016

Posso ouvir um aleluia?

A ex-governadora exaltou o pré-candidato. "Ele ama este país, nunca pedirá desculpas por este país", afirmou. "Ele vem do setor privado, não da política. Posso ouvir um 'aleluia'?" 

Que tradução malfeita! Vejo o inglês atrás dela. Em inglês diz-se Can I hear a hallelujah? nas igrejas pentecostais, mas em português basta "Aleluia" ou "Amém, irmãos?". Curiosidade: normalmente ámen em Portugal.

Thursday, February 11, 2016

Tríplexes

Questionado durante a entrevista coletiva, na manhã desta quarta, se a Procuradoria tem elementos que apontem a ligação de Lula com um dos tríplexes, ele disse que existem indícios e notícias sobre isso. 

Tríplexes? O povo parece que tem estudado muito inglês, mas de português não sabe nada. Desde quando palavra paroxítona terminada em -x (ou -s) tem o sufixo -es no plural? O tríplex, os tríplex. A mesma coisa com o lápis, os lápis, o pires, os pires (ninguém diz lápises ou píreses). Tríplexes é até meio difícil de pronunciar.

Tuesday, February 9, 2016

Criações "freibettianas"

Ele prefere usar a palavra transvivivenciar para se referir à morte, e ao ser questionado sobre qual título daria para seu obituário, responde: “Transvivenciou um peregrino de Deus que viajava a bordo de um paradoxo”.

Qual é o principal problema filosófico dos nossos tempos? (ou um deles pelo menos)
A desistorização do tempo. Devido ao neoliberalismo, estamos perdendo a consciência do tempo como história. Tudo é aqui e agora…

Fui até ver se há outras pessoas que usam esses neologismos. Pelo que descobri na internet, são criação de Frei Betto mesmo. Se é para inventar, julgo que transviver teria sido melhor (com o substantivo transvida ou transvivência para indicar a morte), já que vivenciar, no qual se baseia transvivenciar, exige objeto direto, o que não ocorre com viver, verbo intransitivo. Quanto a desistorização, melhor seria desistoriação, derivado do verbo desistoriar, moldado no verbo historiar, este sim com tradição na língua.

Sunday, February 7, 2016

Entregar

NADANDO CONTRA A CORRENTE



Entregam menos o quê? Pizza? Mais um anglicismo semântico. Deliver em inglês de marqueteiro tem sido usado assim. Como se não fosse feio o suficiente na língua de origem, agora passaram a usá-lo fora dela também? Um bom e simples render ou cumprir (metas, obrigações...) não faz mal a ninguém.

Monday, February 1, 2016

Octagenário

Dias atrás, uma octagenária se levantou da cadeira de rodas para tocar o sino, auxiliada pela neta que a acompanhava nas sessões de tratamento. "O hospital inteiro parou para ver", diz Tonaki.

E o pior é que tenho a impressão de que não é a primeira vez que vejo octagenerário, em vez do correto octOgenário. Qual será o motivo deste erro? Deve ser por influência de palavras do mesmo campo semântico como sexagenário, se(p)tuagenário e nonagenário, todas com a vogal a antes de -genário. Essas palavras têm a porque derivam dos números latinos sexaginta, septuaginta e nonaginta (60, 70 e 90, respectivamente). Oitenta é octoginta. Essas formas explicam por que os numerais ordinais portugueses são sexagésimo, se(p)tuagésimo, octogésimo e nonagésimo.