Word of the Day

Saturday, July 4, 2009

Menas

Já muitos de nós conhecemos (e acredito que isso a grande maioria dos que leem este blogue, que lida com a língua portuguesa, e com outras) a velha história de que não se deve usar menas, mas eu pergunto-me: por que não se deve (não que eu diga, só me pergunto)? Vários manuais de língua portuguesa dizem que menos, pseudo e alerta são invariáveis, mas por que, se são adjetivos e a própria gramática diz que os adjetivos concordam com os substantivos a que se referem em gênero e número? Ou alguém diria que são advérbios, que são invariáveis? Mas os advérbios por definição não podem modificar substantivo, então essa proposta também cairia por terra. Eu diria até que a maioria dos brasileiros usa alerta no plural (os soldados estavam alertas) e ninguém diz nada, e por que então se critica tanto quando alguém diz menas se estamos diante do mesmo erro? Só pode ser porque se tem martelado tanto nessa tecla que as pessoas vão aí dizendo que menas não existe (mas se muita gente diz, como não existe?).

Creio entender o que se passa na mente do falante que usa a palavra menas. Se o seu instinto linguístico lhe diz que o adjetivo concorda com o substantivo (pelo menos a concordância em gênero parece ser respeitada por todos, sem exceção), ele fá-los concordar, ainda mais pelo fato de menos ter a vogal o, que é a marca principal do masculino. Mas então por que quem diz menas comida usa um adjetivo aparentemente no plural (com a marca do s) e um substantivo no singular (sem s) e não sente nenhuma discordância? Acredito que aí entre em cena aquele velho fenômeno presente em vários falares brasileiros: o de pluralizar somente o primeiro elemento, o que tem até sua lógica, pois a pluralização de todas as palavras parece pouco econômica, visto que a primeira palavra já alerta o ouvinte de que se está falando no plural. É o que acontece com as mulher bonita, aqueles homem (ou mesmo home) feio, etc.

3 comments:

Ricardo said...

Na matemática, quando se multiplicam dois números negativos, o resultado é positivo. Tive um professor que dizia: "menas com menas, antimenas!". Bastante didático. Aliás, são frequentes os métodos de memorização que envolvem erros de português.
Eis mais um comentário desnecessário e fora de contexto.
Saudades, caríssimo professor.

Comentador said...

Nunca tinha prestado atenção no alerta ^^ Nem sei como falo. Fiquemos alerta =)

Gabriel said...

Muito interessante reflexão.

As adoradas exceções gramaticais. Em meio às boas regras, que dariam maior segurança na aplicação geral, sempre nos trazem algo que é diferente da maioria...

Atualmente, adoro descobrir regras e exceções, e sobre elas refletir. Mas, nos tempos de ensino médio, elas me enraiveciam! Hahaha...